Hotel de 5 estrelas e 200 apartamentos no Bonfim do Porto

Israelitas vão construir hotel de 5 estrelas e 200 apartamentos no Bonfim do Porto

O grupo Fortera, juntamente com os também israelitas Issta Lines e Fattal, comprou os terrenos em agosto e pretende arrancar com a construção dos dois empreendimentos ainda este ano, num investimento orçado em 47 milhões de euros.

A promotora imobiliária Fortera, de capitais israelitas, tem no “pipeline” um investimento global superior a 200 milhões de euros no Porto e em Gaia, na construção de empreendimentos hoteleiros e residenciais.

Na cidade Invicta, com arranque de obra previsto ainda para este ano, nuns terrenos situados na zona do Bonfim, “adquiridos em agosto de 2019”, a Fortera vai construir um hotel e um complexo residencial, num investimento agregado de 47 milhões de euros, revelou ao Negócios o CEO da empresa, Elad Dror.

Na Avenida Camilo, em frente à Escola Secundária Alexandre Herculano, deverá nascer um hotel de cinco estrelas, com 258 quartos e aproximadamente 16.500 metros quadrados, num investimento orçado em 27 milhões de euros.

No mesmo quarteirão, mas com frente para a Rua do Bonfim, a Fortera pretende investir 20 milhões de euros na construção de um empreendimento residencial “com cerca de 200 apartamentos”.

Para estes dois investimentos, a Fortera conta com dois parceiros igualmente israelitas, com cada um a deter um terço do capital da sociedade promotora – os grupos Issta Lines e Fattal, que são a maior agência de viagens e o maior grupo hoteleiro de Israel, respetivamente.

“Começaremos as obras de ambos os projetos até ao final deste ano, para terminar no verão de 2023”, garantiu Elad Dror.

Já em Gaia, com arranque da obra previsto para novembro próximo, a Fortera vai construir um hotel de quatro estrelas, com 64 quartos, junto à Ponte D. Luís I, num investimento próximo dos nove milhões de euros.

E será em Gaia que o grupo israelita pretende desenvolver os seus dois mais ambiciosos projetos imobiliários, com arranque das obras previsto para o próximo ano.

Em causa estão o projeto Skyline, a construir nas traseiras dos Paços do Concelho, num investimento de 80 milhões de euros e que é formado por um hotel com mais de 250 quartos, um centro de congressos e um centro multiusos, e outros 80 milhões de euros num complexo residencial, “com mais de 300 apartamentos”.

Questionado sobre o impacto da covid-19 na hotelaria, que estará a suspender os investimentos previstos no setor, o empresário desvalorizou tais efeitos na Fortera: “Felizmente, não temos nenhum hotel – os nossos estão programados para 2023-2024, sendo que todos esperamos voltar à normalidade até lá”, explicou.

O grupo Fortera foi criado em 2015, tendo concluído, nos últimos quatro anos, nove projetos imobiliários, distribuídos por Gaia, Porto e Espinho, “num investimento aproximado de 21 milhões de euros”, tendo desembolsado outros “45 milhões em aquisições durante 2019”.

Investimentos imobiliários no norte em plena crise

Investimentos imobiliários no norte em plena crise: israelitas apostam na construção de hotéis e casas

Encabeçados pelo grupo Fortera, novos projetos somam 180 milhões de euros. Desde 2015, concluíram nove empreendimentos na mesma região.

Com perto de uma dezena de projetos imobiliários já concluídos na região norte de Portugal, os israelitas da Fortera mantêm a aposta no mercado nacional, apesar da crise instalada devido à pandemia da Covid-19. Depois de ter investido mais de 65 milhões de euros entre a construção de empreendimentos e a aquisição de terrenos e imóveis, este grupo prepara-se agora para voar mais alto e concentrar-se na execução de projetos mais ambiciosos, tendo em carteira investimentos na ordem dos 180 milhões de euros.

“Neste momento, estamos a alienar os nossos pequenos projetos e a focar-nos nos grandes desafios e projetos que temos em carteira”, avançou Elad Dror, CEO da Fortera, ao Negócios, detalhando que o “ano de 2019 foi de rompimento, quando fizemos aquisições estratégicas – fizemo-lo abaixo do preço de mercado, o que nos permite maior flexibilidade e capacidade para ultrapassar qualquer oscilação do mercado”.

Sobre a decisão de avançar com investimentos em plena pandemina, o gestor explica que, “embora a Covid-19 tenha impacto no curto prazo” a imobiliária está “otimista” em relação aos seus investimento em Portugal. “Felizmente, não temos nenhum hotel – os nossos estão programados para 2023-2024, sendo que todos esperamos voltar à normalidade até lá”, segundo argumenta.

Quanto ao segmento residencial, defendeu que o mercado-alvo da Fortera, “que é o mercado local, continuará a ter uma forte procura por moradias nas grandes cidades”. Sobre a situação de Portugal em relação à pandemia, o empresário israelita considerou que, “ao contrário dos seus vizinhos, conseguiu até agora evitar o caos total, o que é muito importante para os investidores que lideramos, mas sobretudo para o país”.

Os novos projetos na calha

Em maio do ano passado, por exemplo, compraram um terreno na Rua General Torres, em Gaia, junto à ponte D. Luís I, onde está previsto arrancar “em novembro” a construção de “um novo hotel de quatro estrelas, com 64 quartos, que será explorado por um grupo espanhol”, revelou ainda o gestor ao jornal, sem identificar o operador. O investimento “ronda os 8/9 milhões de euros e estará pronto no verão de 2023”.

E porque esta cidade constitui “um dos principais alvos” da Fortera, a promotora portuguesa de capitais israelitas adquiriu um terreno de 54 mil metros quadrados, nas traseiras dos Paços do Concelho, e está “em fase final de aquisição” de outro de 44 mil, “no local mais atraente da cidade, com as melhores vistas e o melhor acesso a todos os pontos de interesse de Gaia”, garantiu Dror, sem revelar a localização.

O primeiro terreno visa edificar o projeto Skyline, orçado “em 80 milhões de euros” e que é formado por um centro de congressos com 2.500 lugares, um hotel de cinco estrelas com mais de 250 quartos e um centro multiusos, com arranque da obra previsto para o próximo ano. “O centro de congressos atrairá conferências de todo o mundo e permitirá que a cidade se torne um centro de conhecimento, inovação e criatividade”, enfatizou o empresário ao diário.

Já o outro terreno, num projeto também orçado em 80 milhões de euros, destina-se à construção, a iniciar igualmente em 2021, de um complexo residencial com “mais de 300 apartamentos”, distribuídos por três torres, a edificar “entre três a quatro anos”. Entretanto, no Porto, vai arrancar, ainda este ano, com um investimento de 47 milhões de euros na construção de um hotel e 200 casas.

Na zona portuense do Bonfim, o grupo israelita Fortera prevê avançar em breve com a construção de um hotel de cinco estrelas e um complexo residencial, num investimento em parceria com os também israelitas Issta Lines e Fattal, que são a maior agência de viagens e o maior grupo hoteleiro do país, respetivamente. O hotel, que terá 258 quartos e cerca de 16.500 metros quadrados de área de construção, irá nascer na Avenida Camilo, em frente à Escola Secundária Alexandre Herculano, num investimento de 27 milhões de euros.

Ali perto, na Rua do Bonfim, a Fortera e os seus sócios vão investir 20 milhões de euros na construção de um empreendimento com cerca de 200 apartamentos. “Começaremos as obras de ambos os projetos até ao final deste ano, para terminar no verão de 2023”, garantiu o CEO Elad Dror.

180 milhões em hotéis e casas em Gaia

Israelita investe 180 milhões em hotéis e casas em Gaia

Investidores israelitas, encabeçados pelo grupo Fortera, arrancam com a construção de um quatro estrelas em Gaia, onde vão também executar o projeto Skyline – que terá um hotel, um centro de congressos e um multiusos – e um complexo residencial de mais de 300 casas, a que acresce um cinco estrelas e mais 200 casas no centro do Porto.

Após prestar serviço militar obrigatório, emigrou em busca de oportunidades de negócio. Passou pelos Estados Unidos, Bélgica, Reino Unido, Espanha, até que aterrou no Porto, em 2010, onde começou por vender carrinhos telecomandados. Passados dois anos, o israelita Elad Dror começa a perceber que o mercado imobiliário da cidade tinha grande potencial.

Em 2015, juntamente com o seu sócio e ex-político Nir Shalom, funda a promotora imobiliária Fortera, que focalizou os seus investimentos nas cidades do Porto, Gaia e Espinho. “Nos últimos quatro anos, concluímos nove projetos, num investimento de aproximadamente 21 milhões de euros, sendo que investimos outros 45 milhões em aquisições durante 2019”, adiantou Elad Dror, CEO da Fortera, ao Negócios.

O Espinho One, um investimento de 7,5 milhões de euros na construção de 38 apartamentos nesta cidade costeira, o Cais da Fontinha no Cais de Gaia, e o Boavista One, no Porto, foram alguns dos nove empreendimentos já concluídos. Agora, em plena pandemia, a Fortera quer voar mais alto e concentrar-se na execução de projetos mais ambiciosos.

“Neste momento, estamos a alienar os nossos pequenos projetos e a focar-nos nos grandes desafios e projetos que temos em carteira”, avançou Elad Dror. “O ano de 2019 foi de rompimento, quando fizemos aquisições estratégicas – fizemo-lo abaixo do preço de mercado, o que nos permite maior flexibilidade e capacidade para ultrapassar qualquer oscilação do mercado”, explicou o empresário.

Após prestar serviço militar obrigatório, emigrou em busca de oportunidades de negócio. Passou pelos Estados Unidos, Bélgica, Reino Unido, Espanha, até que aterrou no Porto, em 2010, onde começou por vender carrinhos telecomandados. Passados dois anos, o israelita Elad Dror começa a perceber que o mercado imobiliário da cidade tinha grande potencial.

Em 2015, juntamente com o seu sócio e ex-político Nir Shalom, funda a promotora imobiliária Fortera, que focalizou os seus investimentos nas cidades do Porto, Gaia e Espinho. “Nos últimos quatro anos, concluímos nove projetos, num investimento de aproximadamente 21 milhões de euros, sendo que investimos outros 45 milhões em aquisições durante 2019”, adiantou Elad Dror, CEO da Fortera, ao Negócios.

O Espinho One, um investimento de 7,5 milhões de euros na construção de 38 apartamentos nesta cidade costeira, o Cais da Fontinha no Cais de Gaia, e o Boavista One, no Porto, foram alguns dos nove empreendimentos já concluídos. Agora, em plena pandemia, a Fortera quer voar mais alto e concentrar-se na execução de projetos mais ambiciosos.

“Neste momento, estamos a alienar os nossos pequenos projetos e a focar-nos nos grandes desafios e projetos que temos em carteira”, avançou Elad Dror. “O ano de 2019 foi de rompimento, quando fizemos aquisições estratégicas – fizemo-lo abaixo do preço de mercado, o que nos permite maior flexibilidade e capacidade para ultrapassar qualquer oscilação do mercado”, explicou o empresário.

Hotéis, centro de congressos e 300 casas em Gaia

Foi o que aconteceu “em maio do ano passado”, com a compra de um terreno na Rua General Torres, em Gaia, junto à ponte D. Luís I, onde prevê arrancar “em novembro” com a construção de “um novo hotel de quatro estrelas, com 64 quartos, que será explorado por um grupo espanhol”, disse, sem identificar o operador. O investimento “ronda os 8/9 milhões de euros e estará pronto no verão de 2023”.

E porque esta cidade constitui “um dos principais alvos” da Fortera, a promotora portuguesa de capitais israelitas adquiriu um terreno de 54 mil metros quadrados, nas traseiras dos Paços do Concelho, e está “em fase final de aquisição” de outro de 44 mil, “no local mais atraente da cidade, com as melhores vistas e o melhor acesso a todos os pontos de interesse de Gaia”, garantiu Dror, sem revelar a localização.

O primeiro terreno visa edificar o projeto Skyline, orçado “em 80 milhões de euros” e que é formado por um centro de congressos com 2.500 lugares, um hotel de cinco estrelas com mais de 230 quartos e um centro multiusos, com arranque da obra previsto para o próximo ano. “O centro de congressos atrairá conferências de todo o mundo e permitirá que a cidade se torne um centro de conhecimento, inovação e criatividade”, enfatizou o empresário.

Já o outro terreno, num projeto também orçado em 80 milhões de euros, destina-se à construção, a iniciar igualmente em 2021, de um complexo residencial com “mais de 300 apartamentos”, distribuídos por três torres, a edificar “entre três a quatro anos”. Entretanto, no Porto, vai arrancar, ainda este ano, com um investimento de 47 milhões de euros na construção de um hotel e 200 casas.

Sem efeitos de covid-19 e com procura em alta

“Embora a covid-19 tenha impacto no curto prazo”, o CEO da Fortera diz que a imobiliária está “otimista” em relação aos seus investimento em Portugal. “Felizmente, não temos nenhum hotel – Os nossos estão programados para 2023-2024, sendo que todos esperamos voltar normalidade até lá”, afirmou.

Quanto ao segmento residencial, defendeu que o mercado-alvo da Fortera, “que é o mercado local, continuará a ter uma forte procura por moradias nas grandes cidades”. Sobre a situação de Portugal em relação à pandemia, o empresário israelita considerou que, “ao contrário dos seus vizinhos, conseguiu até agora evitar o caos total, o que é muito importante para os investidores que lideramos, mas sobretudo para o país”.

“Olhamos para Vila Nova de Gaia como um dos nossos principais alvos para os próximos anos.”

ELAD DROR | CEO da Fortera Properties

Hotel de 5 estrelas no Bonfim

Na zona portuense do Bonfim, o grupo israelita Fortera prevê avançar em breve com a construção de um hotel de cinco estrelas e um complexo residencial, num investimento em parceria com os também israelitas Issta Lines e Fattal, que são a maior agência de viagens e o maior grupo hoteleiro
do país, respetivamente. O hotel, que terá 258 quartos e cerca de 16.500 metros quadrados de área de construção, irá nascer na Avenida
Camilo, em frente à Escola Secundária Alexandre Herculano, num investimento de 27 milhões de euros. Ali perto, na Rua do Bonfim,
a Fortera e os seus sócios vão investir 20 milhões de euros na construção de um empreendimento com cerca de 200 apartamentos.
“Começaremos as obras de ambos os projetos até ao final deste ano, para terminar no verão de 2023”, garantiu o CE0 Elad Dror.

Alô imobiliário com canábis

A viver em Portugal desde 2010, Elad Dror, 40 anos e pai de cinco filhos, mora em Matosinhos. O CEO da Fortera, que frequentou a Universidade
de Tel Aviv, não se dedica apenas ao negócio imobiliário em Portugal. Após ter começado por vender carrinhos telecomandados (brinquedos) no nosso país, constituiu em 2012, com um parceiro também israelita, a Beyond Fresh, que detém e opera 19 lojas de acessórios e reparação de telemóveis,
a Smart Talk e a Dr. Smart. Entretanto, entre outros projetos empresariais em Portugal, a Fortera Properties é também parceira da israelita Together Pharma, uma farmacêutica cotada na Bolsa de Tel Aviv, que vai produzir canábis medicinal em Cantanhede – “recebemos recentemente a pré-licença do Infarmed (regulador português do medicamento)”, garantiu o empresário.